Archive for November, 2009

Grávida perde bébé depois ter sido vacinada contra a gripe A!

Categorias: Gripe A, Notícias em November 17, 2009

Uma mulher grávida de 34 semanas perdeu o bebé este sábado, três dias depois de ter sido vacinada contra o H1N1, dois factos que os familiares suspeitam que estejam ligados, mas que o hospital diz não ser possível relacionar. João Romacho, cunhado da mulher de 31 anos, natural de Alegrete, Portalegre, disse à Lusa que depois de na quarta-feira ter sido vacinada contra a gripe A (H1N1), a grávida começou a queixar-se de dores no corpo e mal-estar geral, estranhando que o bebé ora se mexesse mais do que o normal, ora não se mexesse. A mulher acabaria por recorrer ao Hospital de Portalegre por volta do meio-dia de sábado, onde ficou a saber que o coração do feto tinha parado. O Hospital de Portalegre confirmou esta noite, em comunicado, que a grávida foi atendida no sábado nos serviços por «diminuição dos movimentos fetais», tendo ficado internada por suspeita de morte fetal, «embora se encontrasse clinicamente bem».
O Hospital de Portalegre já tem dados que permitem indicar a causa da morte de um feto de 34 semanas – um bebé perdido por uma grávida, este fim de semana, que tinha sido vacinada poucos dias antes contra a gripe A.

Em declarações à TSF, Paula Pinheiro, directora clínica do Hospital de Portalegre, revelou que «o exame realizado ao feto mostra que a morte ocorreu 18 a 24 horas antes da extracção devido a alterações na circulação sanguínea». No entanto, a responsável sublinhou que se desconhece ainda o que terá provocado essas alterações. A análise que vai ser feita com mais detalhe a tecidos fetais e da placenta talvez permita encontrar uma resposta.

A vacina da Gripe A é segura?

Categorias: Notícias em November 17, 2009

A afirmação de que os benefícios da vacina são muito superiores aos riscos não é uma opinião pessoal. A vacina pandémica é recomendada pela OMS, CDC, ECDC e por todas as direcções gerais dos países conhecidos. A vacina da Gripe só é utilizada porque foi autorizada por entidades independentes das outras já referidas, como a Agência Europeia do Medicamento e Food and Drug Administration. O facto das primeiras entidades recomendarem a vacina e as segundas referidas aprovarem o seu licenciamento, é que fundamenta a utilização da vacina e, portanto, não se baseia em opiniões pessoais.

Mas este fundamento tem sido posto em causa pelos novos meios de comunicação (youtube, twitter, blog’s, etc) por pontos de vista que, pela sua natureza, chamam à atenção das pessoas e são disseminadas com rapidez, e que vão desde opiniões pessoais não fundamentadas até a interpretações fantásticas sobre a pandemia e a vacina da gripe.

Um aspecto importante a referir é que a difusão do conhecimento técnico e científico ainda obedece a regras clássicas (aprovação, publicação, disseminação) sendo portanto morosa, enquanto a difusão do rumor/boato é muito mais rápido mesmo que as fontes não sejam credíveis e o seu conteúdo faça pouco sentido.